Novas visões sobre o desenvolvimento sustentável

Odesenvolvimento sustentável é uma proposta que nasceu no fim dos anos 80 para responder à necessidade de equilibrar o objetivo do desenvolvimento econômico e a redução da pobreza com as limitações naturais e a qualidade de vida. Mais de vinte anos depois, alguns dizem que o paradigma do desenvolvimento sustentável já não é útil, pois foca nos desafios conjunturais ignorando os desafios estruturais. Apesar da afirmação de que o desenvolvimento sustentável enfrenta limitações, a Avina o reafirma como o norte de sua missão, embora o faça de maneira realista e reconhecendo plenamente seus desafios. Simplesmente não surgiu uma alternativa igualmente mobilizadora que ofereça um marco melhor para tomar decisões e priorizar ações.

 

Originalmente uma orientação ética e uma resposta abstrata a desafios conjunturais, o desenvolvimento sustentável terá que ser transformado agora em um marco de referência prático para projetar políticas públicas e definir as regras de jogo do mercado e de superação de deficiências estruturais. Há evidências de que isso já começa a acontecer.

 

Em termos de sustentabilidade global, as agendas de mudança climática ganham terreno na orientação das políticas nacionais e municipais. No nível dos países, frente à ausência de ações de governo ou normativas específicas, começamos a observar a determinação dos poderes judiciais para exigir a intervenção dos governos nos eixos vinculados à sustentabilidade ambiental e social. Em certas cidades ou estados, foram estabelecidos metas e mecanismos de redução de emissões, políticas de energia limpa e incentivos ao consumo responsável.

 

Essa tendência de incorporar o desenvolvimento sustentável aos espaços de decisão também pode ser observada no mercado, onde o conceito de responsabilidade empresarial começa a ceder lugar ao de sustentabilidade, materializado em novas direções e gerências nas estruturas das companhias. As empresas que pensam em longo prazo percebem que, para sobreviver, terão que lidar com questões referentes à mudança climática e integrar valores sociais e ambientais ao mercado.

 

Embora cada setor tenha suas próprias responsabilidades nessa agenda, por natureza o desenvolvimento sustentável depende em grande medida da habilidade da sociedade civil, do empresariado e dos governos de dialogar, colaborar e executar agendas de ação de forma conjunta. Embora se busquem soluções onde todos possam ser beneficiados, a realidade do curto prazo é que há interesses privados, em todos os setores, que se opõem às mudanças necessárias. Será necessário encontrar formas de tornar esses interesses transparentes e negociar democraticamente novas práticas que beneficiem a sociedade como um todo e as gerações futuras.

 

A Avina entende que pode empreender o desafio de avançar no desenvolvimento sustentável, colaborando da seguinte forma:

 

 

 

Referências
Fontes primárias: investigações, entrevistas e ensaios realizados pela Fundación Avina

Algumas fontes secundárias consultadas: