Nos últimos cinco séculos, e mais claramente nos últimos 50 anos, a humanidade avançou de maneira impressionante em seus níveis de bem-estar. Não há dúvidas de que, apesar do crescimento demográfico, houve uma redução na proporção da população que vive na pobreza. Apesar disso, o crescimento econômico contínuo e suas externalidades ambientais foram distribuídos de maneira desigual, o que resultou em sérios problemas em termos de renda e qualidade de vida nas nações desenvolvidas e emergentes e ainda dentro de cada nação.


O crescimento econômico por si só não basta para resolver essa situação. É preciso que as nações e seu desenvolvimento sejam também social e ambientalmente sustentáveis. O contexto de hoje impõe grandes desafios à sustentabilidade, como a desigualdade prevalente, as mudanças climáticas, a escassez relativa de recursos, a migração, a segurança dos alimentos, e a crise econômica e fiscal.

 

Informação para decidir e mudar

 

O Índice de progresso social busca oferecer uma visão clara sobre o nível de bem
estar em cada país e não o esforço que é feito para alcançá-lo.

Para lidar com esses desafios, é preciso ter melhores níveis de informação em todos os campos. Recentemente, foram realizados esforços importantes no nível internacional para fornecer informações mais úteis e precisas para enfrentá-los. Hoje existem muitas medidas novas e índices internacionais que buscam ajudar a voltar a atenção dos líderes e formuladores de políticas aos assuntos que devem ser tratados com prioridade. A Fundación Avina também participou de esforços anteriores para promover o acesso a melhores informações em temas como a competitividade econômica, o desempenho ambiental  e a responsabilidade social na América Latina.


Mas, será que temos todas as medidas que precisamos para satisfazer as necessidades da sociedade? Amartya Sem, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1998 e um dos formuladores do Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas, disse que é fundamental contar com informações mais precisas para que os tomadores de decisões possam entender as diferenças entre as muitas opções de investimento que existem.

 

Social Progress Imperative

 

De esquerda para direita: do Social Progress Imperative, Jonathan Talbot,
diretor de Comunicações; Sally Osberg, diretora (e presidente da Skoll
Foundation); Roberto Artavia, Vice-presidente (e presidente do VIVA
Trust); Brizio Biondi-Morra, presidente (e membro do Conselho Diretor da
Avina), e diretor executivo Michel Green, durante uma reunião do Social
Progress Imperative na Costa Rica, em março de 2013.

 

 

É por essa razão que a Fundación Avina, juntamente com a Skoll Foundation e o Banco Compartamos do México geraram uma parceria com o Instituto de Estratégia e Competitividade de Harvard, a empresa Cisco Systems e outros líderes e organizações, com o objetivo de dar origem ao Social Progress Imperative, um projeto global cujo conceito inicial foi proposto em Dubai em 2009 por Matthew Bishop, da revista The Economist, no contexto do Conselho sobre Filantropia Corporativa e Investimento Social do Fórum Econômico Mundial.


O objetivo dessa iniciativa é fornecer informação desagregada sobre o bem-estar humano aos formuladores de políticas, organismos internacionais de desenvolvimento, organizações filantrópicas, organizações da sociedade civil e academia para que possam focar seus investimentos nas áreas que mais contribuem para melhorar o bem-estar em cada país e região do mundo.


Em 2012, o Social Progress Imperative consolidou-se como organização independente e hoje se dispõe a apresentar ao mundo um processo baseado em um novo índice de progresso social e na articulação de redes regionais e nacionais que assegurem que a informação gerada chegue aos públicos apropriados e seja utilizada para a tomada de decisões de investimento e política.


Índice de Progresso Social

OÍndice de Progresso Social do Social Progress Imperative é uma medida desagregada do bem-estar em três níveis: a satisfação das necessidades básicas para a sobrevivência digna, o estabelecimento de instrumentos eficazes de mobilidade social e a disponibilidade de oportunidades para consolidar um estilo de vida.


O Índice de Progresso Social se diferencia de outros índices que medem apenas indicadores de desempenho e não medidas de esforço, pois busca oferecer uma visão clara sobre o nível de bem-estar em cada país e não o esforço que é feito para atingí-lo.

 

O Social Progress Imperative, por sua vez, complementa o Índice com um processo através do qual as informações produzidas por ele em casa país são difundidas para que influenciem a tomada de decisões no nível de quem formula políticas ou estratégias para aumentar o bem estar e a justiça em cada país. Este processo é sustentado em redes de líderes, acadêmicos e meios de comunicação em cada país, o que diferencia a eficácia do Social Progress Imperative para acelerar o desempenho social nas nações e no mundo.


Social Progress Imperative em 2013

Para 2013, os desafios fundamentais do Social Progress Imperative serão:

 

  1. Sua consolidação como organização independente, com um Conselho de Administração e um Conselho de Assessoria de alcance e classe mundiais.
  2. Sua consolidação financeira, ao assegurar os recursos necessários para os primeiros três anos de trabalho.
  3. A apresentação pública do Índice de Progresso Social para 50 nações no Skoll World Fórum, em abril de 2013.
  4. O estabelecimento do Índice de Progresso Social e seu processo de articulação de redes de influência em dez países, seis deles da América Latina, para realizar um projeto piloto do estabelecimento do Índice como instrumento de medição e planejamento em instituições públicas e privadas.