Foto: Lenart González

Ao mesmo tempo que as mudanças climáticas acarretam riscos ao
desenvolvimento sustentável, criam oportunidades para consolidar uma
agenda integral que o fortaleça.

D esafios sistêmicos demandam respostas multi e transetoriais. As mudanças climáticas são uma condição sistêmica gerada pelo modelo de desenvolvimento intenso em carbono.  Ao mesmo tempo que acarreta riscos ao desenvolvimento sustentável da América Latina, as mudanças climáticas criam oportunidades para consolidar uma agenda integral de desenvolvimento sustentável que valorize os bens públicos, promova uma nova economia e dialogue transversalmente com as agendas setoriais de desenvolvimento.

 

A ferramenta Mudanças Climáticas da Avina

Em seu novo plano estratégico 2013-2017, a Avina decidiu consolidar uma nova ferramenta de impacto chamada Mudanças Climáticas, que trabalhará as questões do clima transversalmente nas distintas Oportunidades Institucionais da organização. A ferramenta agrega valor através de três abordagens complementares: integra em uma mesma narrativa as contribuições das distintas oportunidades de mitigação e adaptação às mudanças climáticas; aprofunda a abordagem climática nas mesmas Oportunidades; e fortalece o posicionamento regional da Avina e da América Latina no debate climático.


Estes são alguns dos resultados obtidos em 2012 com o modelo anterior:

 

As mudanças climáticas como prioridade regional

Em 2012, a equipe da Avina que trabalhou em temas relacionados às mudanças climáticas promoveu a agenda climática de cidades e municípios em vários países da América Latina através de diversos mecanismos, dos quais destacamos a co-organização da Cúpula Cidades e Mudanças Climáticas em Bogotá, na Colômbia, o apoio ao lançamento de Rede de Ilhas e Mudanças Climáticas e o apoio à elaboração do plano municipal de adaptação às mudanças climáticas de Lima, no Peru.

 

A Avina também favoreceu o posicionamento regional com sua participação no Climate Reality Project e participou da organização de importantes espaços de diálogo durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

 

Liderança e mudanças climáticas

Por iniciativa da Avina, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e oito universidades da Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai firmaram um acordo para a formação do Centro de Formação Regional em Liderança e Mudanças Climáticas, voltado para tomadores de decisão dos setores público e privado e dirigentes da sociedade civil. Com o apoio institucional da Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB), Instituto Interamericano para a Pesquisa em Mudança Global (IAI, pela sua sigla em inglês), governo do Uruguai e o compromisso financeiro da UNESCO e Fundación Avina, em 2013 será apresentado um programa piloto com capítulos nacionais e uma oficina regional baseada em um intenso programa desenvolvido conjuntamente pelas diferentes universidades.

 

A Fundación Avina teve um papel chave neste processo desde sua origem por ser uma das organizações que propuseram o conceito e ofereceu apoio financeiro e político ao Centro de Formação Regional em Liderança e Mudanças Climáticas. Além disso, facilitou o processo prévio de reuniões e encontros que possibilitaram essa parceria.

 

Avaliação de políticas públicas

 

Fórum Regional em Lima (Peru), onde foi discutido o relatório “O
estado e a qualidade das políticas públicas sobre mudanças
climáticas e desenvolvimento na América Latina”
, apresentado
pela Plataforma Climática Latino-Americana.

Perante a presença do Ministro do Ambiente do Peru, os ex-ministros da Colômbia e Equador e mais de 40 funcionários e especialistas de vários países, a Plataforma Climática Latino-Americana (PCL) apresentou um estudo comparado sobre o estado e qualidade das políticas públicas sobre mudanças climáticas e desenvolvimento no setor agropecuário em dez países da América Latina. Apesar das diferenças e particularidades de cada país, há padrões que se mantêm, como a falta de coordenação entre políticas climáticas nacionais e políticas específicas para o desenvolvimento de cada setor, baixo nível de implementação das políticas climáticas sem uma execução orçamentária correspondente e uma tendência reativa na definição de políticas de mudanças climáticas frente aos impactos sofridos com escassas exceções de previsão. Essa análise comparada foi formulada com base em dez estudos nacionais cujos resultados serão apresentados publicamente em 2013.

 

A Fundación Avina acompanha a PCL desde sua fundação e a apoia financeiramente para a realização de estudos nacionais.  Além disso, a Avina participa ativamente do Comitê Executivo da Plataforma.

 

Nossos principais parceiros e coinvestidores em 2012 para essa oportunidade são:
  • UNESCO: com a qual organizamos conjuntamente o Centro de Formação em Liderança e Mudanças Climáticas.
  • Serviço Florestal Brasileiro: com o qual apoiamos a organização do evento Tii-Flor 2012 no Brasil.
  • Fundação Roberto Marinho, Skoll Foundation, Ashoka: com as quais organizamos o Fórum de Empreendedorismo Social na Nova Economia na Rio+20.
  • Global Footprint Network: com a qual organizamos um evento conjunto durante a Rio+20

 

O “Relatório sobre o Estado e Qualidade das Políticas Públicas sobre Mudanças Climáticas e Desenvolvimento na América Latina: Setor Agropecuário e Florestal 2012)” identifica e analisa certos padrões e características comuns das agendas e políticas climáticas dos países estudados. Faça o download aqui.